Os Cleans




















OS CLEANS
PAUTA - PGC 062
Garage - 1967  



Musicas:
Lado A
01 - - Faz Tanto Tempo

Lado B
02 - Um Dia Que Se Vai


Os Cleans era um grupo do Rio Grande do Sul, da cidade de Canoas que iniciou a sua carreira na década de 60, onde animou muitos bailes e soirées dançantes, frequentadas pela juventude da época, no Clube de Bolão Gaúcho, Sociedade Canoense de Caça, Pesca e Tiro, Grémio Esportivo Niterói e outros mais. Depois, visando tornarem-se famosos e conseguirem sucesso, rumaram para o centro do País. Em 1966 o grupo venceu a fase regional do concurso Primeiro Encontro Nacional da Jovem Guarda (em segundo e terceiro lugares ficaram respectivamente, The Coiners e The Dazzles) e classificou-se para a grande final realizada na TV Record, de São Paulo, ficando em segundo lugar. Na capital paulista passaram a acompanhar em Shows vários artistas da Jovem Guarda como, Os Mutantes, Beat Boys, Beatniks, Som Beat ou Mustangs, entre outros, e em seguida foram contratados pela TV Excelsior – Canal 09 para atuarem no Programa “O Bom”, liderado pelo cantor Eduardo Araújo.

Em 1967 gravaram o seu primeiro single pelo selo Pauta. A formação original era constituída por Zé, Vasques (guitarra), Ney Cardoso (guitarra), Carlos Roberto (bateria) e Paulo no sax. Pouco depois, também com a participação de Tony Osanah, (dos Beat Boys) tendo permanecido apenas alguns meses. Durante a sua carreira, o conjunto sofreu várias alterações.

Os Cleans, juntamente com os Brasas e o conjunto Liverpool formam o triunvirato da base do rock gaúcho, foi considerado um dos primeiros grupos do Rio Grande do Sul a introduzir o vocal nas suas apresentações e o pioneiro na utilização da guitarra com alavanca. Entretanto, a trajetória em São Paulo foi realizada com algumas dificuldades e sem alcançarem o sucesso que esperavam, pelo que regressaram ao Rio Grande do Sul, onde alguns dos seus elementos passaram a integrar outras bandas.  A formação original era constituída por Zé, Vasques (guitarra), Ney Cardoso (guitarra), Carlos Roberto (bateria) e Paulo no sax. Pouco depois, também com a participação de Tony Osanah, (dos Beat Boys) tendo permanecido apenas alguns meses. Durante a sua carreira, o conjunto sofreu várias alterações.

Em 1968 teve início a formação mais duradoura que se manteve até 1971 com Zé, Vasques, Ney Cardoso (guitarra), Carlos Roberto (bateria) e Lairton (teclados) - nada a ver com àquele que emplacou com a música Morango do Nordeste na virada dos anos 90 para os 2000. Gravaram dois compactos pela RCA Victor: Chick-A-Boom, em 1968, e Nova Geração, em 1969. Participaram nos programas: “Almoço com as Estrelas”, “Astros do Disco” e “Jovem Guarda”, entre outros.

Acompanharam Hermes Aquino no IV FIC (Festival Internacional da Canção) e também a cantora Laís Marques, em “Sala de Espera”.
A última formação do grupo integrava, Zé Roberto (guitarra), Lairton (teclados), Luis Carlos Vasques (baixo) e Carlos Roberto (guitarra) e, em 1971, o conjunto acabou.

Altafini




















ALTAFINI
PAUTA - PGC 074
Garage - Psych - 1968


Lado A
01 - Eu Lutarei Pela Paz

Lado B
02 - Xaropão


Altafini é um músico inovador que gravou este compacto pelo pequeno selo "Pauta Gravações e Propaganda Limitada" em 1968. No single, ele canta e é acompanhado pela banda We Four (Uma Banda de Rock do "subterrâneo paulista", chamado na época de "Rock Nacional Cinzento" por ser da periferia da Cidade de São Paulo, cidade conhecida como cinzenta pelo seu céu constantemente nublado- o que era segundo Altafini o único aspecto "obscuro" da banda).

Altafini chegou a se apresentar na TV no programa de Flávio Cavalcante, cantando Eu Lutarei Pela Paz. A música fala sobre a infância e pacifismo e sua letra remete à construção da paz às esferas mais particulares da vida privada, construção que deveria começar no íntimo das pessoas e em suas vidas cotidianas. O cantor e seu empresário alemão Volker Haupt trabalharam muito na divulgação do trabalho, fazendo estrondoso sucesso  nos estados do sul do país, sobretudo na capital gaúcha, onde sua música não parava de tocar na famosa Rádio Guaíba, contudo Altafini esbarrou na repressão da Ditadura Militar, quando foi preso para "averiguações" por conta de sua música Eu Lutarei Pela Paz, numa época em que os militares viam com péssimos olhos qualquer referência à luta no Brasil. Altafini ficou preso por três dias e os militares foram à gravadora Pauta Gravações e apreenderam todos os lotes do disco que lá estavam, proibindo ainda a comercialização do mesmo. Este triste episódio foi decisivo nos rumos que tomariam a carreira do músico, criando a ruptura de Altafini com sua gravadora, que alegou ao músico grande prejuízo com o ocorrido. Poucos anos depois, Altafini  recebeu uma ótima proposta de trabalho no setor comercial de uma empresa multinacional e mediante as dificuldades por que vinha passando sua vida artística resolveu encerrar sua carreira de músico. Celso Fagundes Altafini, nasceu em São Paulo em 1945 sendo muito conhecido nos arredores do bairro das Perdizes onde morava e andava com sua inconfundível moto BSA Goldenflash 650cc preta.

Duas coisas devem ser destacadas nesse single, as composições, que são próprias do cantor, mostrando bastante personalidade e originalidade nas letras. E o outro é o acompanhamento arrasador do We Four, com muita guitarra fuzz e um som bastante pesado para a época.

Zakiel'60




















ZAQUIEL 60
MOCAMBO - CS 1223
Beat - Garagem - 1967


Musicas:
Lado A
01 - Eu Viver Só, Não Sei

Lado B
02 - Eleanor Rigby


Este compacto foi gravado e lançado por volta de abril/maio de 1967, pelo Selo Rozemblit - Mocambo, com capa elaborada pelo publicitário Paulo Orlando (Polé), e sob a direção do José Mauro Filho.
O conjunto, formado na Vila Mariana, executava em sua grande maioria músicas de sua autoria e repertório com músicas dos Beatles e Hollies, como era comum na época".

A banda tinha a seguinte formação, Luís Antonio Peçanha nas guitarras de seis e de doze cordas (construída pelo próprio conjunto) e vocal, Persio Dario Reale no contra-baixo acústico e elétrico, violino eletrificado e xilofone (no solo de 'Eu Viver Só Não Sei', versão de 'Walk Away Renée', original dos americanos The Left Bank), Francisco Heraldo Turra Vieira, no pandeiro, pratos e vocal e Ronaldo Miranda Borges no bongo e vocal.
Essa formação era derivada de um grupo anterior, dos idos de 1962/63, de nome Les Aigles, que tocava músicas dos Ventures e dos Shadows, do qual participou inicialmente Carlos Bogossian (Bogô, ex-The Hits) na guitarra-base, e que, posteriormente, fundou os Beatniks, José Henrique Serra Russo, guitarra-solo, que também tocou com o Zakiel’60, Nei Martins Gaspar na bateria e Persio Dario Reale no contra-baixo elétrico".

Já com o nome de Zakiel'60, e durante e após o período de gravação do disco, o conjunto apresentou-se em uma das mais importantes casas de show da época, a Boate Cheetah, localizada na antiga praça Roosevelt. Um desses shows, segundo Persio, foi assistido pelo empresário Marcos Lázaro, que convidou a banda para participar do programa Jovem Guarda, em sua edição carioca. Eles foram apresentados pelo Rei como um conjunto com "uma roupagem nova para o iê-iê-iê, com violino e outras coisas mais". O grupo também apresentou-se no programa de Ronnie Von e no programa dos Incríveis, na época dirigido por Brancato Júnior.

Com a nova formação, o grupo fez uma temporada na Boate Playboy, localizada na rua Augusta, em São Paulo, de propriedade de Luís Vassalo, também dono da Boate Cave, na rua da Consolação. A Boate Cave, lembra Persio, "reunia o pessoal da Jovem Guarda, principalmente aos sábados, véspera do programa, quando promoviam as famosas 'canjas', após fechar as portas, depois das quatro horas da manhã".
Assim como a maioria das bandas de garagem dos anos sessenta, Zakiel'60 também teve vida curta, com alguns de seus membros passando a integrar o grupo Heritage, em 1969.

Gilberto Gil




















GILBERTO GIL
PHILIPS - 441,427 PT
Tropicalia - 1968


Faixas:
Lado A
01 - A Luta contra a Lata ou A Falência do Café - C/ Os Mutantes
02 - Questão De Ordem - C/ Beat Boys

Lado B
03 - Bat Macumba - C/ Os Mutantes
04 - Miserere Nobis - C/ Os Mutantes


O impulso tropicalista estava com força total nas mentes e produções de Gil e Caetano.
Ambos se inscreveram, porém, não preocupados em vencer, suas intenções eram questionar as estruturas do próprio festival e de toda a atmosfera cultural vigente.
No FIC, ambos levaram à máxima potência a crítica e a ironia tropicalistas.

Gil apresentou “Questão de Ordem” onde tocava calota acompanhado ao lado dos Beat Boys. Junto a uma vaia abissal veio a sua desclassificação. As guitarras, seu visual black power e seu modo de cantar não agradaram a ninguém.

Caetano apresentou “É proibido proibir”. A canção era praticamente um pretexto para ele defender uma postura de ruptura declarada ao “bom gosto” que as patrulhas de esquerda e de direita impunham à cultura. Mais performático, junto aos Mutantes, armou uma verdadeira zoeira musical orquestrada por Rogério Duprat. Repetia o slogan francês: “É proibido proibir”, Caetano revidou intercalando o discurso onde denunciava a índole reacionária da platéia e a estrutura autoritária do festival.
Ele dizia: Gil está aqui, Gil está comigo. E a turba irada, atirando coisas.

"Me lembro de um pedaço de cenário que me atingiu a canela. E eu ali, no meio de tudo, vivendo aquele calor da representação pública que eu sentia desde os dez anos… Tive medo. Mas ao mesmo tempo, naquele palco, ao lado de Caetano, no meu íntimo eu tinha um certo sorriso irônico, como quem diz: isso deu mesmo no que tinha que dar. Eles não entendiam que a gente não queria confronto, que a nossa proposta era trazer um número cada vez maior de pessoas pra fruição de novos modos de criar. Eu sabia, daí o meu sorriso irônico. Dois anos antes, em 66, aquela assembléia no Rio já tinha me mostrado isso. Gente criadora, gente da inteligência carioca já tinha tido aquela reação convencional do público, contra qualquer coisa que chacoalhasse." ( Gilberto Gil)

Neste compacto lancado em outubro de 1968, a musica Questão de Ordem teve que ter seu final reduzido, a musica em sua versão completa esta no compacto simples PHILIPS - 365.260, lado A, Questão De Ordem e no lado B, A Luta contra a Lata ou A Falência do Café.

Jorge Ben




















JORGE BEN - Forca Bruta
PHILIPS - R 765.121 L
Samba - MPB - 1970


Faixas:
Lado A
01 - Oba, Lá Vem Ela
02 - Zé Canjica
03 - Domenica, Domingava Num Domingo Linda Toda De Branco
04 - Charles Jr.
05 - Pulo, Pulo

Lado B
06 - Apareceu Aparecida
07 - O Telefone Tocou Novamente
08 - Mulher Brasileira
09 - Terezinha
10 - Fôrça Bruta

Tim Maia




















TIM MAIA - Racional Vol1
SEROMA - 0003
Soul - Funk - 1975


Faixas:
Lado A
01 - Imunização Racional (Que Beleza)
02 - Rational Culture

Lado B
03 - Bom Senso
04 - Universo Em Desencanto


Quinto álbum de estúdio de Tim Maia. 
Lançado em 1975 pelo selo Seroma (pertencente ao próprio Tim), Racional ficou marcado pelas letras de devoção à Cultura Racional — seita filosófico, religiosa com a qual Tim se envolvera na época e pela sonoridade que remeteu a nomes do soul e do funk norte-americano, como Barry White, Marvin Gaye e George Clinton.[
Apesar do desgosto do próprio Tim Maia em relação ao álbum, Racional é tido como um dos melhores momentos da carreira do cantor, com os discos originais remanescentes tornando-se itens raros e de valor elevado. A revista norte-americana Rolling Stone, em sua lista dos 100 maiores discos da música brasileira, listou o álbum na 17ª posição. O relançamento do disco divide opiniões, o cantor e compositor Hyldon, antigo parceiro de Tim Maia, acredita que o relançamento é um desrespeito a memória do amigo, já que o disco foi um fracasso e renegado pelo mesmo em vida. 
Paulinho Guitarra, que participou das gravações do disco, afirmou que as bases foram gravadas no final de 1974, mas a adesão de Tim à Cultura Racional fez com que o cantor mudasse as letras e os títulos das músicas. Essa conversão representou uma mudança significativa na conturbada vida pessoal do cantor, que parou de beber e usar drogas, algo que refletiu direta e positivamente na qualidade da sua reconhecidamente poderosa voz. Seu desencanto com a Cultura Racional, entretanto, fez com que Tim tirasse o álbum de circulação, tornando Racional um disco raro, até seu relançamento em CD pela Trama, em 2006. 
Tim Maia preparou durante um ano o material para um novo trabalho, e quando julgou terminado apresentou à gravadora Philips. Obteve a resposta de que deveria refazer o disco e voltar com uma outra proposta. O comportamento temperamental fez com que o cantor rompesse o contrato com a gravadora Phillips, e fundasse seu próprio selo, Seroma (que é uma sigla para Sebastião Rodrigues Maia, seu nome de batismo). A confecção do disco Racional está diretamente ligada à Cultura Racional, da qual havia se tornado um adepto. As letras encontradas no álbum fazem defesa e divulgação da obra o Universo em Desencanto (Cultura Racional), e traz também uma exaltação ao escritor, Manuel Jacinto Coelho na faixa "O Grão Mestre Varonil".  Após o lançamento do álbum, Tim Maia passou um bom tempo divulgando o livro Universo em Desencanto, inclusive enviou o livro para James Brown, Curtis Mayfield e John Lennon.

Olivia Hime




















OLIVIA HIME
TAPECAR - CS 489
Folk - 1977


Faixas:
Lado A
01 - A Bela Adormecida

Lado B
02 - Diana

Vanusa



VANUSA
RCA VICTOR - LC 6406
Beat - 1968


Faixas:
Lado A
01 - Aonde Estas ?

Lado B
02 - Só Voce

Ronnie Von




















RONNIE VON - A Maquina Voadora
POLYDOR - LPNG 44.050
Psych - Tropicalia - 1970


Faixas:
Lado A
01 - Máquina Voadora
02 - Baby De Tal
03 - Verão Nos Chama
04 - Seu Olhar No Meu
05 - Imagem
06 - Continentes E Civilizações

Lado B
07 - Viva O Chopp Escuro
08 - Enseada
09 - Tema De Alessandra
10 - Águas De Sempre
11 - Cidade
12 - Você de Azul

Impossiveis




















IMPOSSÍVEIS
TONY SOM - CSGP 0150
Prog - 1978



Faixas:
Lado A
01 - My Old Friend

Lado B
02 - Don't You Feel?

The Jones




















THE JONES
CONTINENTAL - CS 50.161
Garage - Psych - 1969



Faixas:
Lado A
01 - San Juanito

Lado B
02 - Hey Mina (Foul)

Bolo de Feira




















BOLO DE FEIRA
INDEPENDENTE - CDGP 0256
Folk - 1980



Faixas:
Lado A
01 - Minha morena
02 - Muié rendeira

Lado B
03 - Nordeste modernizado
04 - Bolo de feira

Grupo Raizes




















GRUPO RAIZES
CRAZY - CS 200.028
Folk - 1976


Faixas:
Lado A
01 - Santo Reis

Lado B
02 - Olhos De Mocinha

Hareton Salvanini




















HARETON SALVANINI - Hareton + Meta
AMPLI-SOM - PCD 1974
Samba - Psych - 1974



Faixas:
Lado A
01 - Km 110
02 - Tangará

Lado B
01 - Confissão
02 - Hippie 12

Nara Leão




















NARA LEÃO
PHILIPS - R 765.051 L
Tropicalia - 1968


Lado A
01 - Lindonéia
02 - Quem É
03 - Donzela Por Piedade Não Perturbes
04 - Mamãe Coragem
05 - Anoiteceu
06 - Modinha

Lado B
07 - Infelizmente
08 - Odeon
09 - Mulher
10 - Medroso de Amor
11 - Deus Vos Salve Esta Terra Santa
12 - Tema de ”Os Inconfidentes”